/ Multiolhares

/ Multiolhares

/ exposição de videoarte e cinema experimental / experimental film and videoart exhibition

— Quando e Onde —

  • 31/05 19:00 MON

local | Museu Oscar Niemeyer
abertura | 31/05 – 19h (entrada franca)
período de exposição | 01/06 a 01/07 – 10h às 18h, terça a domingo (programação regular do Museu – entrada paga)
classificação indicativa | 18 anos

 

A Multiolhares surge no Olhar de Cinema como a mostra dedicada ao audiovisual que extrapola limites da tela convencional. Cinema experimental, videoarte, novas mídias; frequentemente consideradas como que um “laboratório” à parte, ainda hoje essas diferentes categorias de experimentação formal podem ser mal interpretadas por cinéfilos ortodoxos como meros exercícios de linguagem, mas cujo potencial expressivo de visões de mundo é, no mínimo, equivalente ao do cinema tradicional.

Partindo dessa importância mútua dada a posturas e procedimentos, apresentamos a exposição Masculino/Feminino/ no Museu Oscar Niemeyer. Como já sugere o nome, o conjunto destas obras parte de dualidades mais ou menos resolvidas entre os sexos, mas  não se esgota nelas, propondo interpretações mais subjetivas dentro de uma chave estético- política. Realizadas em tempos distintos nos últimos dez anos, sem conexões prévias entre si, as obras respondem ao tema central isoladamente ou por diálogos sugeridos pela curadoria em questão.

Avrore | curador


 

OBRAS EM EXPOSIÇÃO

BURACO NEGRO
de Cinthia Marcelle e Tiago Mata Machado
Brasil | 5’ | 2008

SINOPSE: Duas correntes de ar criam figuras abstratas em fileiras de pó. Uma interpretação sutil e poderosa sobre sexo e, quem sabe, amor.


ELEGIA
de Bárbara Felice e Tamíris Spinelli
Brasil | 4’ | 2010

SINOPSE: Experiência sensorial de vida e morte.

 

IMPRESCINDÍVEIS
de Carlosmagno Rodrigues
Brasil | 5’ | 2003

SINOPSE: Tentando criar uma ficção, um pai manipula seu filho, enquanto este reage e subverte a situação com ironia e perspicácia.


NUVEM
de Avrore
Brasil | 2’ | 2012

SINOPSE: Este inevitável e, de alguma maneira, belo esquecimento.


O AMOR EM UM ATO
de Arthur Tuoto
Brasil | 7’ | 2012

SINOPSE: Apropriando-se de um filme pornográfico amador e de baixa resolução, o curta reconfigura suas imagens através de reenquadramentos, distorções e outros processos plásticos.


SANGRE
de Cris Ventura
Brasil | 3’ | 2009

SINOPSE: Mariana tem dez meses, um vestido branco e morangos. Sangrar para a mulher não é esvaecer-se, é necessário e vital. Um feminino férrico e simbólico que está ligado a mitos da fertilidade, virgindade, vida e morte.

 

TRÓPICO DE CAPRICÓRNIO
de Kika Nicolela
Brasil | 30’ | 2005

SINOPSE: Durante uma mesma noite, quatro travestis são trazidas para um quarto de hotel do centro de São Paulo. Um a um, elas entram no jogo proposto pela diretora: deitar-se na cama e permanecer no quarto vazio com uma câmera de vídeo.


UNPIXELATED: ONE
de Anders Weberg
Suécia | 7’ | 2009

SINOPSE: Nos filmes pornográficos japoneses, é obrigatório por lei que as imagens de genitálias masculinas e femininas sejam borradas. O processo de censurar as áreas de sexo explícito por meio de pixelização ou borrões é conhecido como bokashi. Em Unpixelated: One, um software é utilizado para reconstruir as áreas borradas desses filmes. Após isso, um borrão é aplicado no restante da imagem, deixando somente as áreas inicialmente censuradas à vista.


WANING
de Gina Haraszti
Canadá | 8’ | 2011

SINOPSE: Um homem, uma mulher morta, um apartamento vazio. Saindo dos estereótipos do suspense, Waning foca-se na desconstrução visual e temporal de um homicídio em um único plano fragmentado.